Categorias
Religiões Vida Cristã

O que é Confissão Positiva? Heresia? Origem e Significado.

O que é a Confissão Positiva?

A Confissão Positiva é uma linha de interpretação da Bíblia e da relação da humanidade com Deus.  As ênfases nas pregações são prosperidade e saúde. Além disso, anunciam que uma vida cristã correta estará livre de qualquer sofrimento se o fiel tiver fé.

Essa teologia recebeu esse nome devido à doutrina de que ao declarar (confessar) determinada coisa, o desejo está garantido, basta crer e esperar que se cumpra. O fundamento da confissão positiva é o uso da fé. O crente deve declarar com fé que já tem o que Deus prometeu na Bíblia e a confissão trará saúde, curas e prosperidade financeira. De semelhante modo, a confissão negativa é reconhecer a presença das condições desagradáveis e negá-las. Sendo assim, você nega a existência da enfermidade e do sofrimento e eles desaparecerão.

Comumente, os pregadores do movimento da Confissão Positiva usam versículos e passagens bíblicas para fundamentar seus argumentos. Inclusive, se dizem profetas que recebem diretrizes diretamente de Deus. Contudo, um simples estudo sobre suas pregações demonstra que eles manipulam a Bíblia e seu significado, para iludir e enganar os leigos.

O Movimento Confissão Positiva também ficou conhecido como Teologia da Prosperidade, Palavra da Fé ou Movimento da fé.

Definição e Significado de Confissão Positiva

Segundo o Dicionário dos Movimentos Pentecostal e Carismático:

Confissão positiva é um título alternativo para a teologia da fórmula da fé ou doutrina da prosperidade promulgada por vários televangelistas contemporâneos, sob a liderança e a inspiração de Essek William Kenyon. A expressão “confissão positiva” pode ser legitimamente interpretada de várias maneiras. O mais significativo de tudo é que a expressão “confissão positiva” se refere literalmente a trazer à existência o que declaramos com nossa boca, uma vez que a fé é uma confissão. [fonte] https://bereianos.blogspot.com/2013/06/igrejas-neopentecostais-e-doutrina-da.html [/fonte]

Movimento de Confissão Positiva: É a versão cristianizada do movimento do pensamento positivo que essencialmente substitui a fé em Deus pela habilidade de ter fé em si mesmo. O simples fato de confessar positivamente o que se crê faz com que o desejo confessado aconteça.

Movimento do Pensamento Positivo: É a crença em que o pensamento de uma pessoa é o fator primordial em relação a suas circunstâncias. Só em ter pensamentos positivos todas as influências e circunstâncias negativas serão vencidas.

São usados 4 passos na Confissão Positiva:

(1)  “Diga a coisa”: positiva ou negativamente, tudo depende do indivíduo.

(2)  “Faça a coisa”: o que nós fazemos irá determinar a nossa vitória.

(3)  “Receba a coisa”: a fé irá dinamizar a ação e Deus tem que responder, pois está preso a “leis espirituais”.

(4)  “Conte a coisa”: para que outras pessoas possam crer. Deve-se usar palavras como: decretar, exigir, reivindicar, declarar, determinar, e não se pode pedir “se for da tua vontade”, pois isso destrói a fé.

Origem histórica

A origem desse movimento acontece através da vida de algumas pessoas. Elas, com base e suas experiências e filosofias extra bíblicas, desenvolveram essa teologia. Vamos falar brevemente sobre os pais desse movimento.

O 1º Pai – Essek William Kenyon

Considera-se que o primeiro pai desse movimento seja Essek William Kenyon. Nascido em Saratoga, Nova York, EUA, em 1867. Faleceu em 1948.

“[Kenyon] se empenhou nas campanhas pregando salvação e cura em Jesus Cristo dando ênfase aos textos bíblicos que falam de saúde e prosperidade. Aplicava a técnica do poder do pensamento positivo. Orava pelos enfermos e muitos foram salvos e curados, mas outros não. Não era pentecostal, pastoreou várias igrejas e fundou outras. Kenyon foi influenciado pelas seitas Ciência da Mente, Ciência Cristã e a metafísica do Novo Pensamento.” [fonte] Palavra da Verdade – O que é Confissão Positiva? – Disponível em: http://www.palavradaverdade.com/novo/?page_id=50&codigo=1792 [/fonte]

O 2º Pai – Kenneth Hagin

Quem deu continuidade à linha teológica de Kenyon foi Kenneth Hagin. Hagin nasceu em McKinney, Texas, EUA, em 1917. Ele havia nascido com um sério problema de coração. Teve uma infância dura física e emocionalmente. Aos seis anos, viu seu pai abandonar a família, o que a levou a ter tendências suicidas. Aos nove, foi viver com o avô. Posteriormente, pouco antes de completar 16 anos de idade, a condição física de Hagin piorou, levando-o viver numa cama.

Além disso, Hagin contou ter tido algumas experiências espirituais que impactaram sua vida. Ele testemunhou que foi levado ao inferno por três vezes. Ali, contemplou e sentiu horrores, dor, pavor, total escuridão e um calor escaldante. Em consequência dessas experiências, após a terceira vez, Hagin decide aceitar Jesus como seu salvador.

Kenneth Hagin e a revelação de Marcos 11.23-24.

Outra experiência marcante foi a leitura de Marcos 11.23-24. Ele recebeu uma revelação sobre esse texto. A primeira parte da revelação aconteceu em 1 de janeiro  de 1934, quando ele estava de mudança da sua casa. Por viver preso à cama, precisava ser transportado de ambulância para a nova casa. Um dos atendentes lhe pergunta se ele gostaria de passear e ver a cidade ao invés de ir diretamente para a nova casa. Ele aceita. Ao ver os prédios, ruas e lojas, Hagin se emociona, então se lembra de Mc 11.24. Nesse momento, começa a desenvolver seu entendimento que culminaria na Confissão Positiva: “Aí está o princípio da fé: Creia no seu coração, diga-o com sua boca, “e assim será convosco”.

Apesar da revelação do versículo, Hagin ficou preso à cama por mais alguns meses. Até que na segunda semana de agosto de 1934, Hagin recebeu mais uma revelação sobre Mc.11.23-24. Ele relata o episódio:

Terça-feira eu orei nas primeiras horas da manhã. No horário de costume, minha mãe veio e me ajudou com o banho. Eram mais ou menos 8h30 quando ela saiu do quarto; eu continuava a orar. Eu já estava lutando com este versículo de Marcos 11:24 por um bom tempo, mas não ficava nada melhor. Neste momento eu vi exatamente o que aquele versículo significava. Até então, ficara esperando até estar realmente curado. Olhava para o meu corpo e testava as batidas do coração para ver se eu já tinha sido curado. Mas percebi que o versículo afirma que é preciso crer quando oramos. O ter vem depois do crer. Eu estava invertendo. Tentava primeiro ter e então crer em segundo lugar. E isto é o que a maioria das pessoas fazem. Já sei, já sei, disse com alegria. Já sei o que eu tenho de fazer, Senhor. Tenho de crer que meu coração está bem enquanto ainda estou deitado aqui nesta cama e enquanto meu coração não está batendo direito. Tenho de crer que minha paralisia já se foi enquanto ainda estou deitado e incapacitado. [fonte] Igrejas neopentecostais e a doutrina da confissão positiva – disponível em: https://bereianos.blogspot.com/2013/06/igrejas-neopentecostais-e-doutrina-da.html [/fonte]

Após esse momento, ele adorou a Deus agradecendo. Levantou-se e foi curado.

O ministério de Kenneth Hagin

Essas experiências nortearam Hagin e o desenvolvimento do Movimento da Confissão Positiva. Logo depois começou seu ministério de pregador batista e pastoreou uma igreja. Devido à sua experiência de cura, associou-se com os pentecostais. Em 1937, relata que foi batizado com Espírito Santo e recebeu o dom de línguas. Ainda nesse ano foi licenciado como ministro da Assembléia de Deus (1937-1949), pastoreando várias igrejas dessa denominação no Texas. Posteriormente, envolveu-se com pregadores independentes, como William Branham, T. L. Osborn e outros. Finalmente, em 1962, fundou seu próprio ministério. [fonte] Igrejas neopentecostais e a doutrina da confissão positiva – disponível em: https://bereianos.blogspot.com/2013/06/igrejas-neopentecostais-e-doutrina-da.html [/fonte]

O ministério de Hagin é um dos maiores do mundo e sua influência alcança diversos países. Seu centro de operações está em Tulsa, Oklahoma. Dentre os principais trabalhos há a Escola Bíblica por Correspondência Rhema e o Centro de Treinamento Bíblico Rhema. Seus projetos já formaram cerca de 6.600 alunos. Sua revista Word of Faith (Palavra da Fé) alcança cerca de 190 mil lares mensalmente. Já foram vendidos cerca de 33 milhões de cópias de seus 126 livros e panfletos. Sendo assim, fica claro como esse movimento é forte em nossos tempos.

A Confissão Positiva no Brasil

Algumas igrejas brasileiras seguem esse movimento. É o caso da Universal, também da Igreja Internacional da Graça de Deus, cujo missionário R.R. Soares é adepto e incentivador dessa doutrina. Bem como outras igrejas neopentecostais. O movimento é forte no Brasil, visto ter uma mensagem que facilmente agrada o ouvinte e o incentiva a alcançar a sua benção. Basta ter fé e determinar e você já recebeu o que deseja, pois, Deus tem que lhe abençoar.

A Confissão Positiva é Bíblica? É Heresia?

Não é bíblica! Ela faz uso de versículos e passagens bíblicas, contudo, não é bíblica. Pois, ignora diversos ensinamentos de Cristo e deturpa o evangelho. Desse modo, faz dele uma mensagem triunfalista que não é ensinada por Jesus.

Um dos principais problemas é a falta de uma estudo profundo com interpretação correta da Bíblia. Ao invés de buscarem a mensagem bíblica, esse movimento usa a Bíblia como um pretexto para suas mentiras. Não é incomum ouvir “revelações” que vão muito além do que a Bíblia fala e que muitas vezes são contraditórias à Palavra de Deus.

A ênfase dessa linha é o ser humano. Tem o objetivo de empoderá-lo como se fosse um deus. Sendo assim, eles pregam como se o homem pudesse controlar o Deus verdadeiro e obrigá-lo a fazer suas vontades. Dessa forma, Deus depende da vontade e fé do homem para agir.

Portanto, a Confissão Positiva é uma heresia extremamente perigosa. Porque faz uso da Bíblia para enganar pessoas. Essas pessoas acreditam estar próximas de Deus, quando na verdade não o conhecem e estão terrivelmente perdidas.

Exemplos de versículos bíblicos:

Alguns versículo são usados como base bíblica para a Confissão Positiva (CP), contudo, vejamos as falácias:

  • Fp 4.13 – “Tudo posso naquele que me fortalece”. Para a CP, esse texto é usado como fonte de força para qualquer desejo que haja no coração do homem. Parece haver o entendimento que o versículo diz que não há impossíveis para o crente. Entretanto, essa interpretação triunfalista ignora todo o contexto do versículo. Fp 4.11-12, Paulo diz que sabe o que é sofrer, passar necessidade e ter fome. Ele se adaptou a todas as agruras dessa vida, por amor a Cristo. Além disso, se levarmos em conta que Paulo escreveu essa carta da prisão, veremos que o sofrimento é parte da vida cristã. A visão triunfalista de que você poderá conquistar o que quiser nessa vida, é totalmente contrária à mensagem de Paulo. Pois, ele está ensinando que o cristão pode passar por todos os sofrimentos dessa vida, por amor a Cristo, sendo fortalecido por seu Espírito. A palavra “tudo” aponta para as circunstâncias adversas da vida e não para bens e prosperidade material.
  • Mc 11.22-24 – Os defensores da CP entendem que esse trecho ensina que devemos ter a fé de Deus, ou seja, a confissão que gera coisas. Declarar a existência de coisas que do nada virão a existir, podendo assim criar a realidade que desejarmos. Entretanto, há um problema na interpretação novamente. Ao dizer que devemos ter a fé de Deus, eles entendem que essa é uma chave para o poder. Contudo, o texto fala ter fé em Deus! Ter fé em Deus, coloca a ênfase na pessoa de Deus. Ele é onipotente e ilimitado. Essa fé que faz com que os montes que enfrentamos a cada dia sejam superados. Não pelo poder da fé, mas o poder inerente do doador da fé. Ou seja, o nosso Deus. Sem essa fé não venceremos, mas com Ele somos mais do que vencedores.

Concluindo

A Confissão Positiva é uma heresia perigosa que tem levado muitos a um relacionamento profundamente errado com Deus. Essa teologia não conhece o Deus verdadeiro e procura usar a Bíblia como uma ferramenta de manipulação de pessoas. Além disso, faz uso de filosofias anti cristãs e as mescla com a Bíblia. Em suma, seu uso é nocivo para o cristão, pois este não aprende a lidar com as dificuldades da vida. Mas, fica esperando que Deus lhe obedeça e mude a realidade por causa de sua fé e suas determinações.

Categorias
Conhecer a Bíblia Religiões

O que a Bíblia fala sobre Espiritismo?

O espiritismo é uma religião sistematizada por Allan Kardec muitos séculos depois da Bíblia ter sido escrita. Portanto, a Bíblia não fala a respeito do espiritismo diretamente. Mas, antes mesmo de haver doutrinas espíritas, a Bíblia já condenava muitas de suas práticas e filosofias atuais. Vejamos algumas delas a seguir.

Reencarnação

Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar, tal é a lei“. Essa frase está no túmulo de Allan Kardec. Umas das doutrinas espíritas é a volta do espírito à matéria (reencarnação). Pois essa é a forma natural para se alcançar o aperfeiçoamento material e moral do espírito. Isso acontece quantas vezes foram necessárias. Contudo, a perfeição que a possível para a humanidade é relativa, pois apenas Deus possui a perfeição plena, absoluta e infinita.

Sendo assim, a pessoa está destinada a reencarnar até que seu espírito esteja plenamente aperfeiçoado. Ela deve se esforçar e se dedicar às boas obras, cuidado ao próximo e perdão. Para que obtenha o aperfeiçoamento necessário.

Contudo, a Bíblia é contrária a essa doutrina. Pois, a Bíblia afirma:

Da mesma forma, como o homem está destinado a morrer uma só vez e depois disso enfrentar o juízo,
Hebreus 9:27 [grifo nosso]

A Bíblia nos diz que não há reencarnação, não aperfeiçoamento através de diversas vidas aqui na terra. O ser humano depois da morte será levado diante de Deus para o juízo. Ainda nesse ponto é importante salientar algo mais:

[…] assim também Cristo foi oferecido em sacrifício uma única vez, para tirar os pecados de muitos; e aparecerá segunda vez, não para tirar o pecado, mas para trazer salvação aos que o aguardam.
Hebreus 9:28

A doutrina Espírita diz que o ser humano precisa usar suas boas obras para aperfeiçoar-se. Mas a Bíblia enfatiza veementemente que somente através de Jesus Cristo e seu sacrifício na cruz, somos perdoados e salvos.

Boas Obras e Méritos x Graça

A doutrina espírita baseia-se no acúmulo de boas obras como meio para aperfeiçoar-se e obter a plena iluminação do espírito. Através de um conjunto ético-moral de doutrinas e ensinamentos, o seguidor do espiritismo acredita estar fazendo aquilo que a Bíblia diz e obtendo para si luz.

No entanto, biblicamente, as boas obras não nos dão mérito ou créditos diante de Deus. O ser humano é salvo/iluminado/transformado apenas pela graça de Deus. Graça é um favor imerecido! Não há nenhuma boa obra, bom comportamento ou bons pensamentos que possam convencer Deus a nos salvar. Deus nunca está em dívida conosco por causa de nossas boas obras. A salvação é pela graça somente! (Ef 2.1-9).

Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie.
Efésios 2:8,9

Um dos principais problemas do Espiritismo é tentar apresentar um meio de auto salvação. Mostrando um caminho para a humanidade salvar-se sem precisar de Jesus! Isso é uma mentira e leva muitos à destruição, enquanto imaginam fazer a vontade de Deus. A vida eterna, anunciada na Bíblia por Jesus é definida assim:

Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.
João 17:3

As boas obras na Bíblia são fruto da salvação. Aquele que é salvo produz boas obras para glorificar a Deus e como resposta ao amor que recebeu em Jesus. Elas não são uma maneira de salvar-se!  Somos salvos para a boas obras que só somos capazes de fazer porque ele transforma nossas vidas (Ef 2.10).

Sendo assim, o espiritismo não conhece verdadeiramente Jesus e impede que muitas pessoas o conheçam.

Jesus, segundo o espiritismo.

Segundo o espiritismos: Jesus, criado por Deus, é o guia e modelo para toda a humanidade. A moral cristã contida nos evangelhos canônicos é o maior roteiro ético-moral de que o homem possui, e a sua prática é a solução para todos os problemas humanos e o objetivo a ser atingido pela humanidade.

Embora pareçam palavras bonitas e cheias de sabedoria, essa é uma heresia! Jesus Cristo não foi criado por Deus. Ele é eterno, assim como Deus Pai. O Credo Niceno (conjunto de doutrinas cristãs escritas no Concílio de Nicéia) diz a respeito de Jesus:

Cremos em um só Senhor Jesus Cristo, o único Filho de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos, Deus de Deus, luz de luz, verdadeiro Deus de verdadeiro Deus; gerado, não criado, de igual substância do Pai; por Ele todas as coisas foram feitas. Por nós, homens, e por nossa salvação, Ele desceu do céu e se fez carne, pelo Espírito Santo, da virgem Maria, e se tornou homem. Também por nós, foi crucificado sob Pôncio Pilatos, padeceu e foi sepultado. Ressurgiu no terceiro dia, conforme as Escrituras. Subiu ao céu, está sentado à direita do Pai e de novo há de vir, com glória, para julgar os vivos e os mortos, e seu reino não terá fim. [fonte] Credo Niceno. Disponível em: http://igrejasreformadasdobrasil.org/doutrina/credos/credo-niceno [/fonte] [grifo nosso]

A declaração do Credo Niceno é um sumário da crença cristã a respeito de Jesus. Ele é o próprio Deus, jamais criado, mas igualmente eterno como o Pai. Ele é sim um modelo para a humanidade, mas uma modelo de perfeição que a humanidade jamais conseguirá imitar plenamente. Mas, ele veio ao mundo com a missão de morrer na cruz e pagar os nossos pecados e ressuscitou ao terceiro dia. O espiritismo não afirma as principais doutrinas a respeito de Cristo. Pelo contrário, ele diminui a obra do salvador e diminui tudo que a Bíblia revela a respeito dele.

Jesus não é só um modelo, ele é o caminho, a verdade e a vida! Ninguém chega a Deus a não ser através de Jesus. (João 14.6)

O próprio Jesus afirma repetidas vezes nas Escrituras que é o verdadeiro Deus! (Jo 17.21; Jo 8.58; Fp 2.5-11)

Comunicação com espíritos dos mortos

Outra prática comum do espiritismo é a busca de comunicação com os espíritos. Eles dizem que há a possibilidade de comunicação entre os espíritos encarnados (vivos) e os espíritos desencarnados (mortos), por meio da mediunidade. Essa comunicação é realizada com o auxílio de pessoas com determinadas capacidades – os médiuns como, por exemplo, na chamada “escrita automática” (psicografia). [fonte] https://pt.wikipedia.org/wiki/Espiritismo [/fonte]

Para a Bíblia, no entanto, tal prática é reprovada por Deus. Isaías diz:

Quando disserem a vocês: “Consultem médiuns e espíritas que murmuram encantamentos, pois todos procuram seus deuses e os mortos em favor dos vivos”.
Respondam: “À lei e aos mandamentos! ” Se eles não falarem conforme esta palavra, vocês jamais verão a luz!
Isaias 8:19,20

As leis e os mandamentos citados por Isaías proíbem a prática de consulta aos mortos (Dt 18.9-14; Lv 19.31). Em 1Sm 28.3-25, lemos a história de Saul que decidiu consultar o espírito de Samuel. Contudo, a atitude de Saul é reprovada por Deus e ele sofre as consequências de seu pecado.  Esses trechos bíblicos são suficientes para mostrar como a prática de consulta aos mortos é reprovada por Deus.

Quais são os perigos de consultar os mortos? Pense, nessas consultas não há qualquer garantia de que realmente seja o espírito de quem você imagina. Ou que os espíritos lhe digam a verdade e queiram o seu bem. Outra coisa, você não deveria consultar os espíritos para saber sobre seu futuro, sua vida ou para matar a saudade. Você deve buscar a Deus e não permitir que sua vida fique presa aos que já se foram.

A Bíblia segundo Allan Kardec.

O evangelho segundo Allan Kardec é um dos principais livros do espiritismo. É uma tentativa de explicar as máximas morais de Cristo em concordância com as doutrinas espíritas e suas aplicações para as circunstâncias da vida. É uma obra que busca comentar textos dos evangelhos bíblicos conforma a interpretação espírita. Contudo, essa obra está cheia de heresias! Veja um exemplo:

Ao comentar João 14.15-17 e João 14.26, Allan Kardec diz:

“O Espiritismo vem, na época predita, cumprir a promessa do Cristo:
preside ao seu advento o Espírito de Verdade. Ele chama os homens à observância da lei; ensina todas as coisas fazendo compreender o que Jesus só
disse por parábolas. Advertiu o Cristo: “Ouçam os que têm ouvidos para
ouvir.” O Espiritismo vem abrir os olhos e os ouvidos, porquanto fala sem
figuras, nem alegorias; levanta o véu intencionalmente lançado sobre certos mistérios.” [fonte] O evangelho segundo o espiritismo. KARDEC, Allan. Editora FEB. pág.106 [/fonte]

A interpretação de Kardec é que nesses versículos, Jesus promete o Espírito da Verdade que ensinaria os mistérios e relembraria o que Jesus tinha ensinado. Para Kardec, o cumprimento dessa promessa é o próprio Espiritismo. Aqui está a heresia! Pois o cumprimento dessa promessa é o Espírito Santo de Deus, terceira pessoa da Trindade. (João 14.17,26).

Cremos no Espírito Santo, Senhor e Vivificador, que procede do Pai e do Filho, e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado; [fonte] Credo Niceno [/fonte]

Allan Kardec ousa colocar o espiritismo no lugar da pessoa do Espírito Santo! Isso deixa claro como o espiritismo buscar substituir o próprio Deus e dar à humanidade um caminho alternativo para salvar-se a si mesma. O espiritismo não compreende a Bíblia, e a deturpa sempre que fala dela. Sua compreensão a respeito de Jesus e do Espírito Santo são totalmente erradas.

Conclusão

O alerta de Paulo aos Gálatas serve para os dias de hoje, devemos ter cuidado com os falsos evangelhos espalhados por aí e nos apegarmos firmemente à mensagem bíblica.

A vocês, graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo,
que se entregou a si mesmo por nossos pecados a fim de nos resgatar desta presente era perversa, segundo a vontade de nosso Deus e Pai,
a quem seja a glória para todo o sempre. Amém.
Admiro-me de que vocês estejam abandonando tão rapidamente aquele que os chamou pela graça de Cristo, para seguirem outro evangelho
que, na realidade, não é o evangelho. O que ocorre é que algumas pessoas os estão perturbando, querendo perverter o evangelho de Cristo.
Mas ainda que nós ou um anjo do céu pregue um evangelho diferente daquele que lhes pregamos, que seja amaldiçoado!
Como já dissemos, agora repito: Se alguém lhes anuncia um evangelho diferente daquele que já receberam, que seja amaldiçoado!
Gálatas 1:3-9