Eu Sou A Videira Verdadeira – Explicação, Significado e Estudo

Essa parte do Evangelho de João registra os últimos ensinamentos de Jesus antes de ser preso e morto na cruz. Lemos como Jesus orientou e fortaleceu seus discípulos para o momento desafiador que viria a seguir. Diante disso, a mensagem os encoraja a permanecerem firmes na fé, afim de que prossigam no caminho e produzam frutos que glorifiquem a Deus.

A Videira Verdadeira – João 15.1-11

A videira era uma planta muito comum na palestina naquele tempo. Então, Jesus usa um exemplo do cotidiano para um ensinamento espiritual mais profundo.

No Antigo Testamento, a videira já era utilizada como símbolo de muito frutos. Então, era natural que israelitas conhecedores do Antigo Testamento associassem a frutificação, tanto natural quanto espiritual, com a videira (Sl 128.3; Is 5.1-5; Jl 2.22; Zc 8.12-13). Em algumas passagens a videira representa o próprio Israel. (Sl 80.8; Sl 80.14-16; Ez 17.8-10).

Contudo, no Antigo Testamento lemos que Israel é uma videira de frutos azedos e podres. Embora, Deus a tenha tratado e cultivado da melhor forma possível, e, por isso, esperasse frutos doces de justiça. Mas, Israel só produzia frutos azedos (Is 5.1-7).

Posto isto, quando Jesus diz “Eu sou a videira verdadeira” (João 15.1), podemos entender que ele é a raiz, tronco e sustentação do verdadeiro e novo Israel de Deus. Em Jesus, os frutos são diferentes daqueles azedos vistos anteriormente. Porque na videira verdadeira há obediência perfeita à vontade de Deus Pai. Graça e poder de Deus fluem dela e assim, ela alimenta e sustenta os ramos frutíferos, o verdadeiro povo de Deus.

Videira Verdadeira – Estudo

Jesus fala de muitas coisas aqui: videira, o Pai agricultor, os ramos, dar frutos, tirar e queimar ramos que não produzem frutos. Contudo, há uma lição central que deve ser explicitada!

  • Assim como os ramos só podem dar frutos quando estão conectados à videira, os discípulos de Jesus só dão frutos quando permanecem em Jesus. (João 15.4)

Isso fica evidente ao lermos quantas vezes Jesus repete a palavra permanecer e dar frutos nesse trecho. Releia João 15.1-11 e conte quantas vezes as expressões são repetidas. Portanto essa é a ideia central aqui.

Na videira há dois tipos de ramos (João 15.2). O Pai é o agricultor que cuida da videira e trata cada tipo de ramo de forma específica:

  • os ramos que produzem frutos > são podados para gerar mais fruto.
  • os ramos que não produzem frutos > são cortados e lançados fora.

Portanto, a relação entre videira e seus ramos exemplifica como é vital estar intimamente conectado com Jesus. Estar ligado a ele é fonte de vida para o cristão. Essa vida gera frutos. O ramo não pode fazer nada sozinho (João 15.4,5). Da mesma forma, somos totalmente dependentes de Cristo.

“Meu Pai é o agricultor”

Prosseguindo, Jesus nos diz que Deus Pai cuida de nós e nos poda. O verbo podar significa: limpar, purificar, eliminar aquilo que é infrutífero. 1 HELPS Word-studies. Verbete: καθαίρω – kathaírō

Em vista disso, podar é um ato de cuidado e amor do Pai para com a videira e seus ramos frutíferos. Podar indica que ele está aperfeiçoando e auxiliando o desenvolvimento de cada um que está conectado à videira. Dessa forma, aprendemos que o Pai está nos ajudando a crescer, desenvolver a maturidade cristã e a gerar frutos (João 15.2).

Veja que Jesus havia dito que o “Pai poda”, o verbo está no presente, indicando que essa é uma ação constante do Pai que ocorre com frequência. Mas, eles já estão limpos (João 15.3). Isso demonstra que a Palavra já os limpou de seus pecados (João 13.10), no entanto, eles continuam sendo aperfeiçoados através dela. Ou seja, o discípulo de Jesus já está limpo de seus pecados, mas através da ação constante de Deus no dia a dia, ele vai sendo liberto da influência que o pecado tinha sobre sua vida.2 William Hendriksen. João – Comentário do Novo Testamento.

Portanto, há duas verdades aqui. (1) O discípulo já está limpo; mas (2) dia após dia a sua vida vai sendo moldada ao caráter de Cristo e começa a produzir frutos que glorificam a Deus (João 15.8). Esse processo é chamado de santificação.

Postagens Relacionadas

Limpos pela Palavra

Jesus nos diz que a ferramenta usada para nossa limpeza é a sua Palavra (João 15.3). Palavra se refere aos ensinamentos de Cristo que remoldam nossa vida. Através da palavra de Cristo, somos podados e aperfeiçoados. Contudo, se rejeitamos sua palavra, não crescemos. Mas, se a praticamos, damos frutos.

Ser podado pode doer, pois, muitas áreas sensíveis da nossa vida precisam dessa limpeza. Então, não é confortável mudar. Porém, é necessário para que sejamos mais parecidos com Cristo e sejamos reflexo de seu caráter. Ser podado por Deus não deve trazer medo, pois o amor expulsa o medo (1Jo 4.15-21).

Ser podado não é um castigo! É ser amado por um Pai que tem cuidado de nós. Só assim produziremos muitos frutos que permaneçam (João 15.16).

Qual é o fruto?

Esses frutos são os bons motivos, desejos, atitudes, disposições (virtudes espirituais), palavras, boas obras. Tudo isso tendo origem na fé, em harmonia com a lei de Deus, e feito para sua glória. 3 William Hendriksen. João – Comentário do Novo Testamento. Sobre o fruto na vida do Cristão, lembramos especialmente de Gálatas 5.22-23. Porquanto, é o fruto do Espírito apresentado ali que nos diz quais são os aspectos do fruto na vida do discípulo de Jesus.

Veja mais sobre como ser cheio do Espírito.

Sobretudo, perceba a progressão de ideia: em João 15.2, Jesus fala em darmos “mais fruto”; já em João 15.5,8; ele diz “darem muito fruto”.  Tal característica denota desenvolvimento e crescimento. Além de demonstrar que não se deve esperar pouco daqueles que estão em Cristo.

O fruto especial – permaneça no amor

Apesar de citarmos algumas características diferentes sobre o fruto mencionado por Jesus, vemos no texto um fruto sendo citado de maneira especial. Trata-se do amor, que é mencionado pelo menos 8 vezes nesse capítulo (João 15.9-13).

Para entender o amor de Jesus, veja João 13.1. Esse amor, além do mais, era puro, de todo coração, profundo, pessoal, com conhecimento, permanente; daí, em todos esses aspectos era exatamente como o amor do Pai pelo Filho. 4 William Hendriksen. João – Comentário do Novo Testamento. É o amor que se sacrifica (João 15.13).

Jesus nos envolve no seu amor e no amor de Deus Pai (João 15.9). E nos diz para permanecer em seu amor. O resultado (fruto) prático e visível disto é seguir seus mandamentos (João 15.10). A prática demonstra que o amamos, pois, confiamos que suas palavras são palavras de vida eterna. O discípulo deve experimentar desse amor, permanecer nele e praticá-lo. Obedecê-lo se resume em amar uns aos outros como ele nos ama!

Observe:

O meu mandamento é este: amem-se uns aos outros como eu os amei.
Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos.

João 15:12,13

Nosso amor é uma resposta ao seu amor por nós. Nós o amamos porque ele nos amou primeiro (1Jo 4.19). Então, seu amor age em nós e nos transforma. Passamos a conhecer e praticar o amor. É como um ciclo de amor. Somos nutridos pelo amor da videira e geramos o fruto da essência que recebemos. O resultado dessa vida de amor é a alegria (João 15.11).

Os ramos infrutíferos

Diante dessa notícia maravilhosa do amor de Jesus por nós e tudo que ele nos dá, como é possível que haja ramos infrutíferos? Ao ouvirmos que alguns ramos são cortados e lançados fora, podemos nos escandalizar e achar que Deus é severo demais. Contudo, veja como é grave a atitude desses ramos. Eles se recusam a crescer, se recusam a receber o amor de Jesus e praticá-lo. Os ramos infrutíferos, mesmo tendo contato com Jesus, rejeitam seu amor.

Por essa razão, eles sofrerão. João 15.6 diz que eles:

  • serão jogados fora;
  • secarão;
  • serão reunidos e lançados no fogo;
  • queimarão.

Do mesmo modo que o agricultor corta os ramos que não dão frutos físicos, o Pai também rejeita aquelas pessoas que não produzem frutos espirituais. Esses ramos sugam a força da videira, mas não produzem frutos dignos de arrependimento (Mt 3.8). A árvore é reconhecida por seu frutos (Lc 6.43,44), logo se os ramos infrutíferos permanecessem na videira, pensariam que ela é infrutífera. Os ramos infrutíferos, na verdade, não pertencem à videira. Estão sempre aprendendo, mas nunca chegam ao conhecimento da verdade (2Tm 3.7). Estes sofrerão justo castigo. Pois, jamais pertenceram verdadeiramente à videira (1Jo 2.19).

 

Fontes   [ + ]

1.  HELPS Word-studies. Verbete: καθαίρω – kathaírō
2, 4. William Hendriksen. João – Comentário do Novo Testamento.
3. William Hendriksen. João – Comentário do Novo Testamento.

Leave A Reply

Your email address will not be published.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More